Autor: Guilherme Souza

O sono perdido não se recupera no fim de semana

Os brasileiros dormem em média uma hora a menos que o resto dos europeus. Muitos tentam compensar isso ficando na cama no sábado ou domingo de manhã, mas essa não é a solução.

Os danos causados ​​pela falta de horas de sono não são corrigidos com mais horas de descanso durante o fim de semana. De fato, dormir mais horas no sábado ou domingo pode piorar a bagunça.

Cientistas da Universidade do Colorado em Boulder (Estados Unidos) projetaram um estudo com três grupos de participantes. O primeiro grupo dormiu oito horas por dia durante 12 dias. Aqueles no segundo dormiram 8 horas nas três primeiras noites e 5 horas no próximo 9.

O terceiro grupo conseguiu dormir à vontade após 4 dias de limitação e depois voltou a dormir 5 horas por mais dois dias.

Além disso, nos três primeiros dias, todos os participantes seguiram uma dieta controlada e os dias seguintes foram livres para escolher seus menus.

Os pesquisadores analisaram o número total de horas de sono, alterações na ingestão de calorias e peso, resistência à insulina e níveis de melatonina (hormônio do sono, que possui propriedades antioxidantes).

AS HORAS DE SONO NÃO SÃO RECUPERADAS

O diretor do estudo, o professor Kenneth Wright, explica que o número total de horas de sono dos participantes livres para “se recuperar” (o terceiro grupo) não coincide com o número de horas de participantes do primeiro grupo.

Como curiosidade, os participantes do terceiro grupo estenderam seu descanso até o meio dia do sábado e os homens dormiram mais que as mulheres.

Por outro lado, ao monitorar os níveis do hormônio melatonina, a equipe descobriu que os relógios corporais internos dos participantes eram mais alterados quando a falta de sono combinada com a “recuperação” do fim de semana do que quando o padrão de O sono era escasso, mas regular.

AUMENTE O PESO E DIMINUA A SENSIBILIDADE À INSULINA

Em relação à ingestão calórica e peso corporal, os participantes que tiveram oito horas de sono constante não apresentaram alterações significativas no peso.

Por outro lado, os outros dois grupos, que dormiram menos, aumentaram em média 1,5 kg e desenvolveram uma diminuição na sensibilidade à insulina, o hormônio que regula os níveis de açúcar no sangue.

Os pesquisadores sugeriram que o ganho de peso poderia ser devido, pelo menos em parte, ao costume de os participantes adicionarem uma ingestão pós-jantar nos dias de privação do sono, o que pode alterar o metabolismo de várias maneiras.

Os cientistas, que publicaram seu estudo na Current biology, concluem que a privação do sono produz efeitos negativos claros no metabolismo.